segunda-feira, 1 de junho de 2015

Meus 20 e poucos anos

Quando vai se aproximando a data do meu aniversário eu costumo refletir bastante sobre a vida, coisas do tipo: '' O que eu estou fazendo da minha vida?'' ''Onde estarei daqui a 10 anos?'' ''Será que vou me formar e ter uma sólida carreira profissional?'' ''Meus amigos continuarão os mesmos?'' Algumas vezes isso traz uma leve angústia, pois costumamos sempre estar pensando no futuro, idealizando como será a vida daqui a uns anos.  

O fato meu povo, é que estamos sempre cheios de expectativas, estamos sempre comparando nossa vida com a do outro, e as vezes isso é involuntário, você pensa: '' Minha mãe com a idade que eu tenho hoje já tinha isso e aquilo''. Somos cobrados desde cedo a estudar pra passar numa boa faculdade e a ter responsabilidades, e se você chega a uma determinada idade e ainda não tem certas coisas, é cobrado de si mesmo, bem lá no fundo da mente. Penso que é devido a esse mundo caótico que te diz que tudo deve ser rápido e eficiente, pra fazer a grande roda da economia girar. 

Mas, o que é realmente preciso pra te dar alegria? Um bom emprego, um belo apartamento e um carro maravilhoso? Se a resposta foi sim, eu digo que isso é ótimo, ter uma vida confortável e não precisar pegar aquele ônibus lotado 7 da manhã e ganhar um salário mínimo por mês. Mas isso vale mais do que ter por perto as pessoas que você ama? 

Esse ano passei por uma experiência única e que contribuiu grandemente para mudar minha visão sobre o mundo, que foi a cirurgia da minha mãe. Eu estava em outra cidade, sozinha, e só eu poderia ajudá-la. A tensão foi enorme, ela passou 20 dias no hospital, 10 dias na UTI e mais 10 dias no quarto, muitas vezes eu pensava em desabar em choro, logo depois refletia: ela não pode me ver assim, eu tenho que ser forte. E lá estava eu, todo dia no hospital, meu único desejo era vê-la saindo dali, era poder ouvir a voz dela, nesse momento eu não pensava em faculdade ou em emprego, meu único foco era ver a recuperação dela e eu tentava me preparar caso o pior acontecesse (pois ela realmente passou por uma barra dentro daquele hospital). Isso se chama maturidade emocional. 

Hoje eu faço 21 anos de idade, interrompi uma faculdade estando prestes a me formar, e iniciei outra que eu achava que seria impossível conseguir uma vaga. As pessoas frequentemente dizem que eu fiz a coisa errada, mas não dou ouvidos e sigo minha vida sem pressa. As incertezas sempre irão existir, não sabemos de onde viemos e nem pra onde vamos, mas isso é necessário para construir a nós mesmos. Tenho apenas 21, mas já passei por MUITAS coisas; traumas, momentos difíceis, mentiras etc... Pode ser e vai sem sombra de dúvidas acontecer muito mais coisas na minha vida que vão me mudar com o tempo, que vão provocar em mim grandes efeitos sejam bons ou ruins, pois esse é o lado maravilhoso da psiquê humana.  

<3 

Fiquem na paz!




Desenvolvido por: Gabriela Charbe | Todos os direitos reservados.